Memórias de um menino pobre


Romance Rural
Formato: 14x21
224 páginas
Silveira Júnior
Escritor de Blumenau – SC
Valor: R$30,00

Na certidão de casamento de Mamãe consta que ela era analfabeta, mas creio que já naquela época ela sabia o suficiente para assinar o nome. (...) Faço esse preâmbulo de pouco interesse para o leitor, para justificar o meu encanto pelo valor que Mamãe dava à instrução, ela que não tinha escolaridade nenhuma. Pois essa mulher paupérrima (...) aguardou apenas que completasse sete anos para me pôr na escola, como faria qualquer mãe esclarecida de hoje. (...)
Eu tinha sete anos e oito meses quando fui matriculado na Escola Mista do Núcleo Barão do Rio Branco, dirigida pelo professor Cantalício Erico Flores. E entrei com essa idade na escola porque faço anos em meados de maio e a aula começava e a aula começava em março. Era uma modestíssima escola que ministrava apenas três anos de aula: primeira, segunda e terceira séries. (...)
Com onze anos incompletos eu havia terminado o cursinho que a escola ministrava e poderia ter saído para continuar a vida na lavoura. Mas Mamãe foi lá falar com seu Cantalício, pedindo a ele que permitisse que eu continuasse repetindo a ele que permitisse que eu continuasse repetindo o terceiro ano para não esquecer o que havia aprendido. Seu Cantalício concordou. Creio que passei três repetindo o terceiro ano primário (...) Mas hoje suponho que isso me foi muito útil, porque na impossibilidade de continuar estudando matérias novas, pelo menos não esquecia aquele pouquinho que já sabia. Foi esse o lúcido raciocínio dessa pobre senhora Dona Maria dos Anjos Silveira, minha mãe.