GUERRA PAIXÃO E MORTE

Literatura BRASILEIRA
Formato: 14x21
220 páginas
Afonso Martini
Escritor de Chapecó - SC
Valor: R$30,00

Em meio à literatura sobre a Guerra do Contestado, temos uma obra que faz um exercício único de colocar paixão no meio da guerra e da morte. O relato de cenários, dos elementos que compõem a guerra do contestado, a violência, a morte, vem permeado com o pano de fundo ou, como um dos atos principais, a paixão entre dois de seus personagens, escolhidos pelo autor para compor o casal principal dessa história.

Com o cuidado de colocar elementos importantes para a compreensão da guerra do contestado, o romance não tira de cena a disputa central ocorrida durante a guerra do contestado; a disputa entre um modo de vida que foi ameaçado e, infelizmente, quase destruído pelo avanço do capitalismo na região oeste/meio oeste de Santa Catarina, que trouxe, também, a quase destruição das relações sociais existentes na região. O destaque foi para a relação com a terra, “que era de todos” e a relação de poder, expressa em relações de fidelidade pessoal.
O conflito, no qual o governo da república utilizou pela primeira vez na história do Brasil uma poderosa arma, o avião, que infelizmente contribuiu para dizimar a população local, cuja luta foi apenas contra a opressão e a miséria, impostas por um sistema coronelista.
A Estrada de Ferro simboliza tudo isso, juntamente com relação ao grande empreendimento madeireiro que vai provocar a primeira grande devastação ecológica da nossa região, pois eram simplesmente serrados 300 metros cúbicos de madeira diariamente; um dos maiores empreendimentos capitalista do sul do Brasil na época, que fez desaparecer 2 milhões de pinheiros araucárias, sem falar de outras espécies nativas...